Sucesso a longo prazo no Poker Online com estratégias vencedoras – inscreve-te já grátis!

As melhores estratégias Com a estratégia correta, o poker torna-se numa brincadeira. Os nossos autores mostram passo a passo como funciona.

As cabeças mais espertas Aprende em conjunto com os mais bem sucedidos jogadores de poker nos treinos ao vivo e no fórum.

Dinheiro de Poker Grátis A PokerStrategy.com é completamente gratuita. Para além disso espera-te dinheiro de poker grátis.

Já és membro da PokerStrategy.com? Faz o login aqui

EstratégiaSpecials

Mão da semana - quando disparar o segundo barrel depois de uma jogada apertada

» Não façam fold, perguntem


Existem momentos na vida de qualquer jogador de poker em que a opinião fundamentada de um profissional é extremamente valiosa. Se seguirem o lema "juntos em vez de sozinho", podem agora seguir esta opinião bem fundamentada da nossa equipa profissional de conteúdos. Esta inclui o nosso chefe de conteúdos, Onkel Hotte (Fixed Limit), Sammy (No-Limit, SNG), Wishmaster (Fixed Limit, Real-Life-Poker).

 

Questão colocada por emophiliac

No-Limit

Caro sammy,
Hoje estive a jogar e reconheci uma mão interessante numa mesa NL25SH. Eu estava na big blind com K T . O BU fez um raise de abertura, a SB fez call. Quando era a minha vez eu fiz re-raise, porque a minha mão não é assim tão má e o BU vinha demonstrando um jogo muito agressivo pré-flop, mas no pós-flop já ficava algo conservador e tight - ele era capaz de fazer fold de boas mãos e reagir passivamente e sem grandes demoras se fosse confrontado com agressão dos adversários. Já estávamos na mão #20 da mesa, e eu tinha previamente já mostrado dois semi-bluffs em pots unraised. Por 3 vezes eu fiz raise pré-flop. Ou fazia raise ou re-raise das mãos que queria jogar, ou pelo contrário não demonstrava interesse nenhum.

O BU faz call e eu coloquei-o num range de (AK, AQ, AJ, KQ, QJ, JT, T9s, 87s, 22-QQ), a SB fez fold - as stacks efectivas rondavam ~100BB. No flop aparece Q 8 3 . Eu aposto 2/3 do tamanho do pot. O BU pensa por um tempo e depois faz call. Nesta altura assumi que qualquer tipo de mão feita pelo vilão, como por exemplo AQ, KQ, QJ, JJ, TT, 99, estava excluída com o call no flop, mas tecnicamente eram possíveis. Tivesse ele feito o call mais rápido, provavelmente poderiamos excluir um flush draw devido aos timing tells. Ele poderia estar a fazer slowplay de um set, mas se calhar teria feito aqui um raise.

No turn aparece o J , que me dava um OESD e que completava flush draws. Não tive coração, apostei 2/3 do pot.

Quantas vezes é que apostariam nesta mão, neste limite, contra este tipo de adversário? E se no turn tivesse aparecido um A , Q , A , 6 ou 6 ? Mais, mais generalizadamente: que tipo de texturas de board em relação à minha mão são favoráveis para disparar um segundo barrel contra um adversário normal depois de uma jogada apertada?

Muito obrigado pela resposta,
Cumprimentos - emophiliac


Resposta do sammy

Caro emophiliac,
Esta é de facto uma decisão de jogo muito interessante. Para que possa apresentar a situação a todos os leitores de uma forma mais clara, vou resumir as tuas acções e reads:

No-Limit Hold'em, $0.10/$0.25$

BU - 25$
SB - 25$
BB(Hero) - 25$

Preflop: Hero is BB with K , T
BU raises to $0.75, SB calls $0.65, Hero raises to $3.00, BU calls $2.25, SB folds.

sammy
Jan Samuelsen aka sammy, toma conta da secção No-Limit da PokerStrategy. Um jogador ganhador há muito tempo e também já membro com estatuto Black Member, ele aceitou a tarefa de ensinar as novas gerações na arte do big-ball poker.
Flop: ($6.75) Q , 8 , 3 (2 players)
Hero bets $4.50, BU calls $4.50.

Turn: ($15.75) J (2 players)
Hero ???

Stacks restantes: $17.50

Calling range pré-flop estimado do BU:
22-QQ, AJ+, KQ, QJ, JT, T9s, 87s

Turn range estimado do BU:
99-JJ, AQ, KQ, QJ

Reads e imagem de mesa:
  • Temos jogado muito tight e agressivo, e somos reconhecidos por sermos capazes de fazer semi-bluffs.
  • O botão parece ser um simples TAG, que responde a agressão no pós-flop através de um jogo passivo, que é algo típico neste limite.

Antes de começar a analisar esta situação mais detalhadamente, quero fazer uma observação sobre a utilização de jogadas apertadas neste limite:

Geralmente não é nada esperto ou necessário fazer jogadas apertadas neste limite para que se consiga jogar rentavelmente, uma vez que os adversários vão fazer call a muitas mãos e são incapazes de fazer folds dificeis no pós-flop. Eles também não têm em atenção a vossa imagem na mesa, ou as mãos com as quais jogaram anteriormente. Eles só consideram a sua própria mão e por isso fazem demasiados calls. É portanto bem possível de bater este limite, jogando um jogo simples tight agressivo.

Agora a mão:

Pré-flop
Geralmente, nesta situação fariamos um fold depois de um raise de abertura do BU e uma cold call da SB. Contudo, existem certas situações em que possam considerar que arriscar uma jogada apertada é o mais apropriado. (Mais sobre este tipo de jogadas pode ser encontrado nos nossos artigos de platina)

Flop
Depois do call pré-flop do BU numa situação destas, devemos quase sempre fazer uma continuation bet em quase todas as boards, uma vez que o adversário só vai conseguir acertar em 30% das vezes e vai muitas vezes fazer fold. O tamanho da aposta deve ser entre 1/2 e 2/3 do tamanho do pot para que assim se gere fold equity suficiente, para ter protecção e value das nossas boas mãos.

Turn
Tendo como base as reads, colocamos o BU numa mão feita depois de ele ter feito call à continuation bet. Agora neste tipo de situações, as coisas não se apresentam nada boas para nós e devemos provavelmente ter que jogar check/fold, porque muitas das vezes não vamos ter odds para jogar check/call.

Agora respondendo à questão, primeiro vamos ver como é que a nossa equity está perante o BU. Eu nesta situação não daria muita importância ao timing tell, porque ele pode muito bem ter propositadamente demorado mais algum tempo a decidir, apesar de ser possível que ele estivesse a considerar fazer um raise com um nut flush draw. Eu incluiria o A T no seu range de mãos. Por isso o seu range é o seguinte:
99-JJ, AQ, A T, KQ, QJ

Contra este range, temos uma equity no turn de 18,5%, e somos grandes underdogs contra qualquer mão feita. Mesmo assim, podemos considerar disparar um segundo barrel, devido à natureza assustadora da board, para assim tentar afastar as mãos mais fracas que fazem parte deste range.

Dado os cálculos da equity, não podemos agora considerar tamanhos diferentes de apostas. Aqui só temos a possibilidade de fazer push, uma vez que qualquer outra aposta de tamanho razoável nos deixaria pot committed. Não faz qualquer diferença se apostamos 2/3 do pot agora e fazemos call a um push ou se vamos directamente all-in, por isso devemos ir logo all-in para assim maximizar o nosso fold equity.

Se só apostarmos 1/2 do tamanho do pot ($7.8), contra um push teriamos pot odds de 9,7:41,05. Isto é 1:4,32. Com uma equity de 19,1% um call seria então lucrativo.

Bet/fold no turn com uma aposta <1/2 do tamanho do pot, check/fold no river sem ter melhorado não é uma forma muito boa de se jogar, uma vez que uma aposta tão pequena pode receber um call de mãos feitas, as quais poderiam fazer fold contra um push. Por isso, devemos ou fazer push ou check/fold no turn!!

A questão está então em saber que percentagem destas mãos ele tem que ter para que se possa fazer um push +EV para nós. Os cálculos:

(x - corresponde à percentagem de mãos com que ele faz fold)

P(Push) = x * (+15,75$) + (1-x) * (0.185 * (+33,25$) + 0.815 * (-17,5$))

(Para que se possa entender melhor os números, eu vou agora omitir o sinal $.)

P(Push) = 15,75x + (1-x) (6,151 – 14,2625)
P(Push) = 15,75x - 8,1115 + 8,1115x
P(Push) = 23,8615x – 8,1115 > 0
23,8615x > 8,1115
x > 0,3399
x > 34%

Então ele tem que fazer fold de 1/3 do seu range de mãos para que assim exista para nós um push +EV.
Agora podemos utilizar as nossas reads. E estas dizem que neste tipo de situações ele é capaz de fazer fold das suas mãos feitas. Dado o aparecimento do flush draw, ele provavelmente fará fold de 99, TT e KQ, mas não é muito provável que faça fold de um set de valetes, ou dois pares.

Existem 49 combinações de mãos neste range quando consideram esta board: 6x 99, 6x TT, 3x JJ, 12x AQ, 12x KQ, 9x QJ, 1xA T

Dizemos que ele fará fold de 99, TT e KQ, por isso existem 24 combinações que ele faz fold, que são 49% do seu range. Uma vez que 49 > 34, contra este adversário nós temos um Push +EV.

Suponham que agora jogamos contra o vilão1 (que não consegue fazer fold de todas as mãos com KQ) e contra o vilão2 (que só consegue fazer fold de mãos TPGK em 50% dos casos). Temos os seguintes ranges de fold:
Vilão1: 24%
Vilão2: 36%

Por isso contra um callingstation absoluto devemos jogar check/fold no turn, e contra semi-callingstations temos uma decisão muito mais difícil.

Isto só demonstra a importância que tem uma read exacta em No-Limit Hold'em.

Substituição da carta do turn
Um ás aqui é uma boa carta no turn, uma vez que: a) cabe dentro do nosso range; b) diminui a força dos pares do vilão, desde que ele não tenha AQ. Isto faz com que seja mais fácil para ele fazer fold com KQ e QJ. As cartas que gostariamos de ver, depois do A e do J, seriam o K e o T, porque ganhariamos mais equity para o nosso push. Qualquer outra carta no turn (quer seja ou não uma ) dá-nos um equity de apenas 6% depois do call do vilão. Por isso, com cartas blanks como 2, 7 ou 3 o adversário não fará fold em casos suficientes e como tal o push não é aconselhável.


A situação de uma forma geral
Aqui assumimos que um call no flop de um adversário numa situação apertada indica que ele conseguir acertar numa mão com valor de showdown. Só em alguns casos raros ele fará call com um bom draw. se estiverem a enfrentar um bom adversário, ele muitas das vezes fará push por cima com um draw no flop, porque
  • eles têm muito fold equity
  • se eles receberem um call, o draw garanet que ainda tenham alguma equity.

Uma sequência de apostas do tipo call flop, fold turn sem melhoramentos num pot que foi 3bet é extremamente mau, e só será jogado por fishes absolutos que geralmente não sabem o que é que estão a fazer.

Por isso, para se considerar a utilização de um segundo barrel, temos primeiro que garantir que a carta do turn cai dentro daquelas cartas que nos ajudam no nosso range. Com uma carta blank, um segundo barrel deixa de fazer sentido, porque o adversário demonstrou que ele tem uma mão feita e por isso não deve fazer fold para uma carta blank no turn. Em alguns casos singulares, podemos tirar partido de uma carta assustadora (p.e. um flush draw completo) desde que tenhamos uma read correcta sobre o nosso adversário, e que ele seja capaz de desistir das suas mãos feitas muitas vezes, e que o nosso equity seja mesmo assim suficientemente grande se por acaso recebermos um call (não menos que 12%).

No exemplo de cima, digamos que queriamos fazer push depois de ver um 2 . Precisariamos de um fold equity >48,2%, o qual é deifícil de obter contra um jogador normal.

Cumprimentos
sammy
 

Comentários (2)

#1 Brubaker1982, 27.06.12 14:31

Interessante

#2 crowlercage, 22.09.14 12:55

Muito bom....