Sucesso a longo prazo no Poker Online com estratégias vencedoras – inscreve-te já grátis!

As melhores estratégias Com a estratégia correta, o poker torna-se numa brincadeira. Os nossos autores mostram passo a passo como funciona.

As cabeças mais espertas Aprende em conjunto com os mais bem sucedidos jogadores de poker nos treinos ao vivo e no fórum.

Dinheiro de Poker Grátis A PokerStrategy.com é completamente gratuita. Para além disso espera-te dinheiro de poker grátis.

Já és membro da PokerStrategy.com? Faz o login aqui

EstratégiaNo-Limit BSS

Crushing NL 50 (1) - O Jogo no Pré-Flop

» COLUNA

Crushing NL 50 (1)
O Jogo no Pré-Flop

por Hasenbraten


Esta série vai abordar em detalhe o jogo pré-flop para No Limit Hold'em full ring. Por esta altura já deves estar familiarizado com o artigo introdutório sobre os fundamentos básicos do poker, a tabela das mãos iniciais e também já deves ter ganho alguma experiência nas mesas. Aprende agora como é que podes fazer ajustes rentáveis ao teu jogo no pré-flop.

O Princípio da Maximização do Valor Esperado

Para compreender os fundamentos básicos do poker em si, é essencial que te lembres sempre qual é o teu objectivo nas mesas:

Queres ganhar dinheiro.

Isto parece demasiado óbvio, mas é de facto mais subtil do que pensas. Tenta ter sempre este objectivo na tua mente quando estás a jogar, porque esta é que deve ser a motivação por detrás de todas as tuas acções. Se, por exemplo, baseares as tuas decisões na Tabela de Mãos Iniciais (TMI), isso vai-te permitir maximizar o valor esperado (EV) em muitas situações; mas a razão pela qual ages de determinada forma não é por causa do que te diz a Tabela de Mãos Iniciais, mas sim pelo facto de essa acção ter o máximo de valor esperado (EV).

Neste artigo também te serão apresentados vários conceitos específicos que foram criados para te ajudar a atingir o EV mais elevado perante determinada situação. É importante ter em conta que não os deves encarar como regras de ouro e que quando aplicados te levarão sempre ao máximo do EV. Não baseies as tuas decisões em nenhum destes conceitos se tiveres alguma razão para acreditar que uma decisão diferente te levará a um EV mais elevado.

Outro aspecto importante e que à primeira vista parece bastante simples está relacionado com a forma como estimas o EV das tuas acções. Deves certificar-te sempre de que utilizas toda a informação disponível quando estás a analisar uma situação em relação ao EV. Quanto mais informação tiveres em linha de conta, mais precisa será a tua estimativa.

A Tabela de Mãos Iniciais

Esta é a Tabela de Mãos Iniciais (TMI) com a qual já estás familiarizado. Tem em consideração determinadas informações antes do flop e diz-te o que deves fazer com base nisso. Utilizar a TMI tem vários benefícios:

  • Previne erros do jogador
  • É fácil de utilizar
  • É inequívoca

Contudo, tal como já foi referido na secção anterior, a análise fornecida pela TMI é incompleta:

  • Mãos diferentes são agrupadas em categorias
  • Apenas é utilizada uma pequena fracção dos dados disponíveis

Isso significa que te irás deparar com várias situações em que a TMI vai recomendar uma determinada acção, mas que difere daquilo que farias se tivesses em conta o princípio da maximização do valor esperado. Isto também tem a ver com a natureza em si da própria Tabela de Mãos Iniciais. Para comparar um valor esperado (EV), tu tens sempre duas opções:

Por um lado, podes compará-lo ao EV mais elevado possível. O EV de qualquer outra decisão será sempre inferior ou equivalente a este.

Por outro lado, podes compará-lo ao EV neutro. Isto geralmente leva a boas decisões (embora possam haver outras melhores), as quais são consideradas +EV no que diz respeito ao teu lucro absoluto e não são más decisões, porque fazem-te ganhar dinheiro. Contudo, o dinheiro que ganhas desta forma não é a quantidade máxima que poderias ganhar.

É crucial para os principiantes não tomar qualquer tipo de decisão que seja absolutamente negativa em termos de EV, porque rapidamente perderão a sua banca e não terão mais nenhuma oportunidade para aprender. Globalmente, se um principiante conseguir manter o EV das suas acções neutro ou ligeiramente positivo, ele por sua vez terá a oportunidade de focar a sua atenção na obtenção do máximo EV possível.

O objectivo principal da TMI é prevenir a tua ruína. É por isso que não são consideradas as situações marginais ou aquelas que requerem que o jogador tome outra decisão. Se uma acção A tiver um EV negativo em 80% dos casos, a TMI não vai recomendar essa acção A. Como tal, deves agora tornar num dos teus objectivos a identificação desses 20% dos casos em que a acção A tem um EV positivo.

Podes alcançar isso ao analisar não só uma parte, mas toda a informação disponível antes do flop. Tem em consideração a posição exacta, a mão exacta, o tamanho e tendências das stacks dos adversários, e as suas acções precisas no pré-flop (quantos jogadores entraram no pote a partir de que determinada posição, qual foi o tamanho do raise do adversário, etc.)

Antes de vermos alguns exemplos específicos, vamos primeiro dar uma vista de olhos a alguns exemplos gerais que ilustram o princípio. Considera aqui a informação incompleta utilizada pela TMI em relação ao número de limpers.

EXEMPLO 1

100BB stacks

Preflop: Hero is SB with 46s
UTG+1 limps, MP+1 limps, MP+3 limps, CO limps, BU limps, Hero ???

Neste cenário a TMI diz-te para fazer fold. Na maioria das situações (os 80% referidos anteriormente), esta acabará por ser de facto a melhor opção. Contudo, vais-te deparar com várias situações multiway onde terás um EV positivo ao completar a big blind, enquanto que a opção pelo fold apenas resultaria num EV neutro.

EXEMPLO 2

100BB stacks

Preflop: Hero is SB with 58s
UTG+1 limps, MP+1 limps, Hero ???

Mais uma vez a TMI recomenda um fold. E, tal como anteriormente, essa seria a escolha correcta nas situações em que não tens qualquer outro tipo de informação adicional, como é o caso aqui - está a jogar contra dois desconhecidos. Contudo, assume que um dos limpers é um fish e que está com um forte tilt. Tal como tu, ele está sentado na mesa com pouco mais de 100BB. De repente apercebes-te que é muito melhor fazer call do que fold, porque se acertares em algo é muito provável que consigas ganhar.

EXEMPLO 3

100BB stacks

Preflop: Hero is BU with T9s
UTG+1 raises 2BB (min), UTG+2 calls, CO calls, Hero???

De acordo com a tabela devias optar novamente pelo fold, mas na realidade seria melhor para ti fazer o call. A tabela pura e simplesmente ignora o tamanho do raise e o número de callers.

Devemos mencionar aqui rapidamente outro exemplo; qual a reacção com AK perante um raise. Neste caso, perante um único raise a tabela simplesmente recomenda que se faça raise, não tendo em linha de conta o tamanho da stack e a posição do jogador que faz raise. Porém, fazer apenas call a um raise de um jogador tight nas posições iniciais pode ser gratificante, particularmente se estiveres numa boa posição e se não existirem outros jogadores.

Pensa nisso. Contra que mãos é que jogarias depois de fazeres raise UTG e o adversário responder com um re-raise. Pensa também se gostarias de jogar contra um leque de mãos similar com AK, ou se estarias melhor ao fazer apenas o call ao raise.

Por favor, lembra-te que isto não significa que fazer apenas call em situações deste género é sempre a escolha mais acertada. O exemplo serviu apenas para demonstrar que pode ser problemático seguir sempre à risca as indicações da TMI.

Se estiveres interessado em mais artigos teóricos relacionados com isto, por favor visita as secções de estratégia e de avaliação de mãos.

Roubo das Blinds

Se te quiseres afastar um pouco do esquema rígido da TMI, deves em primeiro lugar testar isto em situações de roubo das blinds e nas quais és o agressor. Analisar nestes casos informação adicional pode levar a decisões que são consideravelmente diferentes das sugeridas pela TMI. Além disso, terás a iniciativa depois do flop e muitas vezes estarás heads-up. Assim terás menos dificuldades do que aquelas que terias a jogar sem iniciativa e fora de posição.

A TMI ignora as seguintes informações e que nestes casos têm que ser tidas em conta:

  • O tipo de jogador
  • O tamanho da stack
  • A história

A parte mais importante destas é o tipo de jogador. Sendo o primeiro a actuar a partir do CO ou do BU, podes muitas vezes lucrar com a expansão do leque de mãos que é sugerido pela TMI. Deves considerar isto contra jogadores muito tights, que fazem fold de um grande número de mãos antes e depois do flop, e contra jogadores muito fracos, os quais têm tendência para cometer grandes erros e contra os quais vais lucrar ao jogar mãos depois do flop.

Para um exemplo mais específico, analisa o teu próprio jogo na SB e BB: Nestes casos, se fores confrontado com um raise farás fold de quase todas as mãos. Isso significa que ao jogares contra jogadores que sejam parecidos contigo e que estejam na SB e BB, efectuar raise com um maior número de mãos é um movimento lucrativo. A forma como deves actuar contra jogadores superiores é um tópico mais avançado, ao qual regressaremos mais tarde.

De um modo geral, se tiveres nas blinds jogadores fracos e tights  contra os quais ainda podes utilizar uma continuation bet depois do flop (palavra-chave: tamanho das stacks), podes fazer raise com um número de mãos superior ao sugerido pela TMI. Mais especificamente, podes expandir o teu leque de mãos com suited connectors e one-gappers, bem como offsuit connectors ou mãos offsuit com A-high, e mãos com K-high suited. Com a constelação correcta, é muito bem possível chegar a um valor de raise de abertura a partir das últimas posições superior a 40%. Tal como mencionámos anteriormente, quanto mais os teus adversários fizerem fold, mais tu podes fazer raise.

Vamos olhar para a seguinte constelação: o herói está no BU; SB e BB são jogadores tights (PokerStrategy.com-) com grandes stacks. Podes muito bem fazer raise com qualquer ás, com qualquer connector 45+, com qualquer one-gapper 46+, com qualquer rei suited, e assim por diante, desde que não encontres uma defesa incaracterística por parte de outro jogador. Esse comportamento é intitulado de adaptação. Significa que o teu adversário está a alterar o seu estilo de jogo como reacção ao teu, tal como tu também ajustaste o teu jogo ao dos teus adversários, tirando vantagem dos seus frequentes folds no pré-flop.

Se estiveres no CO e com um jogador muito tight (SSS ou BSS) sentado no BU, não tens que ajustar muito o teu leque de mãos para raise de abertura entre o BU e o CO. Contudo, com um jogador loose ou agressivo no BU, quando és o primeiro a agir a partir do CO deves fazer raise com um número de mãos consideravelmente inferior. Dependendo do jogador, as recomendações (tights) da TMI podem ser neste caso seguidas estritamente.

De um modo geral, são particularmente os jogadores loose, especialmente aqueles com uma stack pequena, contra os quais deves apenas fazer raise raramente. Não considerarias a utilização estratégica de uma continuation bet no pós-flop contra eles, por causa do tamanho das suas stacks pequenas em relação ao pote. Além disso, estes jogadores apenas cometem poucos grandes erros contra ti.

Podes fazer raise de algumas mãos contras jogadores loose com grandes stacks, mas tens que ter a certeza que tens um grande potencial para mãos médias-fortes. Isto é assim, porque muitas vezes vais entrar no showdown e os teus adversários apenas farão fold de um pequeno número de mãos similares. Terás um EV positivo depois do flop não pelo facto de os teus adversários estarem a fazer fold, mas sim por venceres o showdown em si.

Contudo, contra adversários tight, tens que prestar atenção ao potencial das mãos que são muito fortes e difíceis de identificar (sets, flushes, straights), não tanto para os pares. Estes muito raramente chegam até ao showdown, porque é bem provável que tu ou teu adversário já tenham feito fold antes disso.

Isolamento

Podes também optimizar o teu jogo através da melhoria do teu jogo de isolamento, uma espécie de extensão do roubo das blinds. A secção anterior já mostrou qual é a informação que a TMI não tem em linha de conta nas situações de roubo das blinds. Para além disso, o número e a posição dos limpers são mais dois factores que são ignorados aqui.

Existem muitas situações nas quais é mais lucrativo fazer raise depois de um limper com um leque de mãos mais alargado do que o sugerido pela TMI. É suposto que este movimento crie uma situação de heads-up com posição e iniciativa. Pensa, por exemplo, numa grande stack que faz limp. Se olhares para a TMI, verás que a sua mão será provavelmente constituída por um pequeno par do tipo 22-99, ou, menos frequentemente, suited connectors do tipo 45s-T9s. Agora tenta avaliar as tuas opções a partir do BU:

Podias optar pelo limp e ver o flop a um preço baixo. Se tens uma mão com grande potencial, como por exemplo um suited connector, vais lucrar com este movimento.

Por outro lado, podias optar pelo raise: Tens sempre posição a partir do botão, e, a menos que ele responda com uma 3-bet, tens também a iniciativa. Se as blinds fizerem fold, a stack grande fará call com o seu par se tiver odds implícitas (a regra do Call-20).

Contudo, no flop, é mais provável que ele faça check e fold quando confrontado com uma continuation bet – a menos que ele acerte num set. Como isso é pouco provável, no nosso exemplo conseguias um lucro imediato.

Isso não significa que deves fazer sempre raise com qualquer mão se uma grande stack fizer limp. Lembra-te sempre da inexactidão desta informação e da possibilidade de mais jogadores entrarem na luta pela mão.

Porém, ainda pode ser dito, que em muitas situações que faças limp depois de um limper e tenhas um EV positivo absoluto, um EV ainda mais alto pode ser alcançado através de um raise. Presta sempre atenção à tua posição e às situações possíveis no pós-flop (quem é que pode entrar na mão e com que stacks, poderás fazer uma continuation bet, etc.)

Vamos dar uma vista de olhos a alguns exemplos simples:

EXEMPLO 4

100BB stacks
MP+2 (loose passive fish)

Preflop: Hero is CO with KJs
MP+2 limps, Hero???

A TMI diz para fazer limp. Apesar de geralmente isto resultar aqui num EV positivo, um raise levaria a um EV superior. Em muitos casos, serás capaz de vencer o pote antes ou no flop. Se isso não acontecer, continuas a ter uma mão forte, bem como posição e a iniciativa.

Contudo, se nesta situação mais dois adversários fizerem limp, é melhor para ti que também só faças limp. O argumento aqui da boa jogabilidade e do heads-up é muito fraco, razão pela qual deves esperar para ver o que acontece no flop.

EXEMPLO 5

100BB stacks
UTG+1 (straightforward TAG)
SB + BB (tight SSS players)

Preflop: Hero is BU with 67s
UTG+1 limps, Hero???

Neste exemplo, que já foi mencionado anteriormente, também podes isolar. O TAG aqui normalmente tem um par de mão, com o qual só muito raramente jogará fora de posição depois do flop se não conseguir acertar num set. Além disso, não é muito provável que as blinds também entrem, razão pela qual o raise no pré-flop e a continuation bet em conjunto originam uma situação +EV.

O seu EV também seria superior do que com um limp. Mais uma vez, o que é importante na tua selecção de mãos é o potencial de mãos fortes conseguirem derrotar um set. A razão para tal é simples: O teu adversário muito raramente chegará ao showdown sem um set, e é por isso que normalmente não te tens que preocupar com a força de algum par que possas acertar.

Domínio

O conceito de domínio não tem para oferecer guias de orientação tão simples e precisos como os conceitos apresentados até agora. O que faz é especificar um tipo de relação possível entre a tua mão e a mão do adversário. Em primeiro lugar, uma definição:

A tua mão domina outra mão se tiveres XY, o teu adversário YZ, e o teu X for superior ao Z do adversário.

É claro que o mesmo se aplica no sentido contrário. Por exemplo, com AK na tua mão dominas qualquer outro ás ou qualquer outro rei, enquanto que 67 é dominado por 78, e assim sucessivamente.

Isto mostra como o aspecto de domínio deve influenciar a tua selecção de mãos:

Comparando com uma mão dominante, a probabilidade de uma mão dominada vencer é muito pequena. É por isso que deve tentar jogar (se todas as outras condições assim o permitirem) quando a tua mão domina uma grande parte do leque de mãos do adversário.

Isto resultará numa situação bastante vantajosa para ti: Se a carta dominada conseguir acertar, o teu adversário fica com um par (que pode até ser um top pair), mas ao mesmo tempo ele apenas tem 3 outs contra ti para vencer.

Geralmente, deves evitar situações em que a tua mão possa estar dominada. Em muitos casos é melhor jogar mãos com do tipo 67s em vez de A2s, porque são muitos os jogadores que costumam jogar com mãos que têm ases médios-fortes e que dominam A2s.

Normalmente o 67s é uma mão inferior ao A2s, mas dependendo do número de adversários que tens pela frente, as tuas probabilidades de vencer são superiores e evitas também uma situação em que o teu par está dominado.

» SUMÁRIO

Este artigo apresentou-te alguns conceitos básicos por detrás do poker, bem como várias aplicações simples para o pré-flop baseadas neles. Na segunda parte desta série vamos fazer uma abordagem similar ao jogo no pós-flop.

 

Comentários (6)

#1 buychips, 22.11.10 15:08

Excelente 1º artigo da série!!!

#2 pporsche, 23.11.10 11:41

#1<br /> Obrigado pelo feedback! Esta série em vídeo e am artigos é uma ferramenta excelente para descobrir e aprender muitos dos conceitos mais importantes de NL BSS

#3 FlashPKR, 07.12.10 16:34

pporsche, nao é possivel encontrar este artigo, apesar dele ser em portugues, no link http://pt.pokerstrategy.com/strategy/weekly-no-limit/<br /> <br /> Acho que seria bem interessante e facilitaria bastante se ele se encontrsse la.

#4 Jojoxxxxxx, 11.05.11 11:47

reitero:<br /> <br /> pporsche, nao é possivel encontrar este artigo, apesar dele ser em portugues, no link http://pt.pokerstrategy.com/strategy/weekly-no-limit/<br /> <br /> Acho que seria bem interessante e facilitaria bastante se ele se encontrsse la.

#5 Brubaker1982, 29.06.12 19:56

Marcando como lido...

#6 Agosfc, 07.03.13 14:29

Lido.