Sucesso a longo prazo no Poker Online com estratégias vencedoras – inscreve-te já grátis!

As melhores estratégias Com a estratégia correta, o poker torna-se numa brincadeira. Os nossos autores mostram passo a passo como funciona.

As cabeças mais espertas Aprende em conjunto com os mais bem sucedidos jogadores de poker nos treinos ao vivo e no fórum.

Dinheiro de Poker Grátis A PokerStrategy.com é completamente gratuita. Para além disso espera-te dinheiro de poker grátis.

Já és membro da PokerStrategy.com? Faz o login aqui

EstratégiaNo-Limit BSS

Crushing NL50 (6) - Conceitos Finais

» COLUNA

Crushing NL50 (6) - Conceitos Finais

por Hasenbraten

Neste último artigo da série vamos dar uma vista de olhos a um conjunto de diferentes conceitos. O ênfase não estará agora centrado nas lições teóricas, mas sim nos exemplos práticos.

A extensão deste artigo não é suficiente para explicar detalhadamente todos os movimentos que vamos mencionar. É importante ter atenção para o facto de que existe muito mais do que aquilo que vai ser aqui ilustrado. Até agora apenas viste a ponta do icebergue e este artigo não será uma excepção a isso. É uma boa base para começar, mas lembra-te que um icebergue é enorme.

Depois de terminada esta série, terás à tua disposição as ferramentas teóricas necessárias para trabalhar efectivamente na melhoria do teu jogo.

Bluff 4-bets

Alguns de vocês devem estar a pensar porque é que este tópico não surgiu mais cedo. É simplesmente demasiado específico para o incluir na explicação dos conceitos básicos. O próprio nome em si já diz quase tudo: uma 4-bet que é utilizada como um bluff.

Por um lado, isto é feito por motivos de balanceamento quando também queres utilizar 4-bets com os teus monstros, por outro lado, podes avaliar rapidamente qual é o seu EV directo.

EXEMPLO 1

100BB Stacks

Preflop: Player A raises 4BB, Player B raises 12BB, Player A raises 30BB

Que EV tem o último raise do jogador A se assumires uma equity de 0%?

EV = Pfold * 17.5 BB – (1-Pfold) * 30

Portanto, o movimento em termos de EV é neutro com uma probabilidade de fold de 63%. Agora todos têm que responder por si mesmos se esta condição  é atendida numa determinada situação. É frequentemente esse o caso. O jogador A pode assim utilizar uma bluff 4-bet de forma rentável sem ter que ir all-in. Isto não deve ser nenhuma novidade para muitos de vós. Devemos ainda mencionar mais dois aspectos:

  • Em que situações ou com que mão o jogador A tem que jogar 4-bet/call?

Se o jogador B for all-in para uma stack efectiva de 100BB, o jogador A tem que fazer call de 70BB num pote de 201.5BB. Portanto, ele precisa de cerca de 35% de equity. Para que fiques com uma melhor compreensão disto, vamos dar uma vista de olhos a alguns exemplos de mãos para o jogador A e leques de mãos para all-in do jogador B:

Jogador A
Jogador B
Equity Jogador A
55
QQ+, AK 35.65%
A5s
QQ+, AK
30.15%
67s
QQ+, AK
31.08%

Contra um leque de mãos para all-in tight, os pequenos pares de mão não servem para uma 4-bet bluff, uma vez que a sua equity é demasiado alta. Se fizeres aqui uma 4-bet com eles, tinhas que fazer o call ao all-in. As equitys têm mais ou menos o mesmo valor se o jogador B fizer um push mais loose.

  • Que mãos é que são adequadas para bluff 4-bets?

Com um call quase neutro em termos de EV, devido à baixa quantidade de equity podes acabar a jogar 4-bet/fold ou 4-bet/call. Independentemente da linha que escolheres, o EV não sofrerá grandes alterações. Contudo, para a tua imagem geral era positivo chegar ao showdown com 55 numa situação deste género. Isso iria demonstrar que não gostas de fazer fold e sabes exactamente qual é a tua equity. Alguns jogadores até podem pensar que és um fish.

Existe outra razão para utilizar uma mão diferente, o denominado efeito de remoção de cartas. Este diz respeito ao facto de que é menos provável para um adversário ter uma mão que contenha uma carta que tu já tens. A ajuda aqui são os cálculos em unidades precisas de combinações de cartas.

Um exemplo: QQ+,AK são 18 + 16 = 34 combinações. Se tiveres um ás com um kicker inferior à Q, estás a bloquear metade das combinações para AA, bem como 1/4 de todas as combinações para AK. Restam ainda 34 – 7 = 27 combinações, o que perfaz cerca de 79% da probabilidade inicial.

Para este leque de mãos, Kx é um bloqueador tão forte com Ax. Apenas Qx bloqueia 3 das 34 combinações. Como tal, é mais rentável bluffar uma mão com o efeito de remoção de cartas do que sem ele.

Contrariamente a algumas opiniões, também é possível utilizar bluff 4-bets com mãos relativamente fortes. Independentemente da questão, se um call (fora de posição?) aparentar ser a melhor opção, por exemplo uma 4-bet-fold com AJ ou até mesmo AQ, pode ser rentável dependendo da situação.

Vamos dar novamente uma vista de olhos a mais algumas equitys:

Jogador A
Jogador B
Equity Jogador A
Redução através Remoção Cartas
AQ
QQ+, AK 25.46% 29.41%
AQ
TT+, AQ+
35.25%
27.41%
AJ
QQ+, AK
25.93%
20.06%
AJ
TT+, AQ+
28.74%
27.41%
KQ
QQ+, AK
21.83%
20.06%
KQ
TT+, AQ+
28.53%
27.41%

Depois de uma hipotética 4-bet, apenas AQ serva para dar o call contra um leque de mãos loose para push. Contudo, a probabilidade do jogador B ter uma mão do seu leque de mãos para all-in é reduzida em cerca de 20%-30% - se a assumpção que fizemos do seu leque de mãos para all-in estiver correcta.

Se tiveres a certeza de que não recebes um call perante uma 4-bet, então podes considerar não só o call, mas como também uma bluff 4-bet com uma mão relativamente forte, devido ao valor elevado do efeito de remoção de cartas.

Frequência 4-betting e 5-betting

Existe um problema com 4-bet bluffs: Arriscas uma grande parte da tua stack e ficas exposto a um movimento contrário. Na situação ilustrada no parágrafo anterior, o jogador B precisa de pouco fold equity para uma 5-bet all-in rentável depois da 4-bet.

Em relação a isso, seria interessante olhar para o gráfico do fold equity necessário em correlação com o teu próprio fold equity. É o seguinte EV = 0 = Pfold * 43.5BB + ( 1-Pfold ) * ( Equity * 117.5BB - ( 1-Equity ) * 88BB ).



O que podemos aprender com isto é que uma frequência de cerca de 50% de bluff 4-bet ou similar é difícil de balancear. Jogar tantas vezes 4-bet/fold é impossível. Se querias fazer isso, terias que jogar muito mais vezes 4-bet/fold com mãos marginais para contrariar as 5-bets mais fáceis. Para interpretar melhor este gráfico, vamos olhar para as seguintes equitys:

Jogador A
Jogador B
Equity Jogador A
55
QQ+, AK
35.65%
A5s
QQ+, Ak
30.15%
67s
QQ+, AK
31.08%
JTs
QQ+, AK
29.22%

Como uma bluff 5-bet ou um semibluff são normalmente utilizados em dinâmicas mais loose, vais ver as equitys dessas mãos contra o leque de mãos TT+, AQ.

Jogador A
Jogador B
Equity Jogador A
55
TT+, AQ+
37.10%
A5s
TT+, AQ+
31.23%
67s
TT+, AQ+
31.64%
JTs
TT+, AQ+
32.10%

Estes cálculos servem para facilitar a tua compreensão das situação com 3-, 4- e 5-bets, considerando também os aspectos de bluff. Em vez de utilizar muitas 4-bets, é muitas vezes melhor fazer apenas call às 3-bets. O jogo contra as 4-bets não é particularmente difícil e pode muitas vezes ser perfeitamente representado em termos matemáticos. Isto já não se aplica para o jogo pós-flop num pote 3-bet, por isso é que é possível mais facilmente ganhar uma vantagem aí do que no pré-flop.

Call no flop  vs.  raise no flop

Ambos os movimentos devem constituir um movimento normal do teu jogo, quer sejam por bluffs ou por valor. Sem entrar em muitos detalhes como fizemos nas 4-bets, vamos dar aqui uma vista de olhos a alguns dos aspectos que deves prestar mais atenção quando tentas utilizar movimentos mais criativos.

Para decidir se queres jogar call no flop ou raise no flop contra um bom jogador numa determinada situação, precisas de ter em consideração como é que a tua acção em particular vai afectar o adversário.

A grande diferença é provavelmente a criação directa de fold equity com a utilização de um raise. Ao jogar contra bons jogadores também deves ter em conta as últimas streets quando estás a tomar uma decisão no flop.

Tens que planear um objectivo para a tua mão e avaliar que decisão no flop é que terá mais vantagens. Isto é particularmente importante para bluff multi-barris, e não apenas no contexto de uma única decisão.

A questão que se coloca não é saber se deves jogar um float normal, mas saber se podes utilizar um bluff para obrigar o teu adversário a fazer fold de algumas mãos do seu leque de mãos.

Como tal, deves perguntar a ti mesmo o seguinte: "Quantas vezes é que ele pode ter uma mão atacante, como por exemplo um top pair? Será que consigo obrigá-lo a desistir da mão, e se sim, como?"

Deviam ser consideradas aqui linhas do tipo call no flop, raise no turn como bluff ou semibluff, ou call no flop, aposta no turn, aposta no river. É muito interessante jogar aparentes linhas por valor puras como bluffs ou semibluffs nas últimas streets.

No flop, são vários os jogadores que estão preparados para atacar e para reagir de acordo com as circunstâncias. Se optares pelo raise no flop com uma board seca, podes muitas vezes induzir um calldown devido ao teu leque de mãos polarizado.

Se optares pelo raise no turn ou ate mesmo no river, o teu adversário poucas vezes te colocará num bluff ou quase nunca. Isso acontece, porque estas não são linhas típicas de bluffs. Aqui temos que considerar novamente o conceito de auto-exploração. Imagina a seguinte situação.

EXEMPLO 2

100BB Stacks

Preflop: Hero is MP with AA
Hero raises 4BB, BU call 4BB

Flop: K, 8, 3 (9.5BB Pot)
Hero bets 5BB, BU calls 5BB

Turn: 2 (19.5BB Pot)
Hero bets 12BB, BU calls 12BB

River: 9 (43.5BB Pot)
Hero bets 21BB, BU raises 79BB (All-In), Hero?

O Herói tem que ter a melhor mão em cerca de 30% de todos os casos para que possa dar o call. Não ilustramos este exemplo para que depois o imites quando estiveres no BU, mas apenas para explicar o problema. Com o BU neste local, tu não assumirias um bluff. Como tal, pode ser uma boa situação.

É claro que a questão que importa saber é se esta é uma boa situação para o BU fazer bluff ou não. Se te colocares no papel do herói, a decisão desta mão não é nada fácil.

Agora assume que o BU tinha feito raise no flop. Na maioria dos casos optarias simplesmente por fazer calldown. O que é que teria acontecido na situação com um raise no turn? O herói continuaria a fazer calldown?

Podes utilizar aqui um pouco de matemática para responder às perguntas. Depois podes decidir se é ou não um bom local para fazer bluff, mesmo que o herói não queira tomar esta decisão com uma mão relativamente fraca no river.

EXEMPLO 3

100BB Stacks

Preflop: Hero is MP with K J
Hero raises 4BB, BU call 4BB

Flop: K, 8, 3 (9.5BB Pot)
Hero bets 5BB, BU calls 5BB

Turn: 2 (19.5BB Pot)
Hero bets 12BB, BU calls 12BB

River: 9 (43.5BB Pot)
Hero checks, BU bets 33BB, Hero?

O herói continua a ter um call fácil? Que mãos do BU pode o herói derrotar? Como podes ver, a decisão no flop pode ter efeitos interessantes em toda a dinâmica da mão. Pensar muito bem que efeitos podem ser esses, pode dar-te uma vantagem necessária para jogar contra outros jogadores ganhadores.

Check/call  vs.  check-raise

Uma análise interessante também pode ser feita graças à seguinte questão: Check/call ou check-raise? Ambas têm vantagens e desvantagens. Com um check/call consegues imediatamente ver o turn baratinho ao mesmo tempo que mantens o pote pequeno. Um check-raise aumenta o tamanho do pote e lança novamente a acção.

O teu objectivo com mãos fortes médias é ver o showdown barato. Para as mãos mais fortes o objectivo já passa a ser um grande pote. Para os draws o objectivo é o de conseguir acertar o draw barato ou obrigar o adversário a fazer fold. É por isso que tecnicamente podias jogar check-raise e check/call com draws, check/call com mãos médias fortes e check-raise com mãos ainda mais fortes.

Mas isto resulta num leque de mãos relativamente fraco para um check/call  que contém muitas mãos com um par vulneráveis. Se o teu adversário estiver disposto a ter isto em consideração, ele vai-te causar muitos problemas. Só vais conseguir fazer hero calls contra ele com a parte fraca do teu leque de mãos. Por outro lado, podes seguir uma linha passiva com uma mão muito forte.

Quando estás a jogar contra este tipo de adversários, também deves perguntar a ti próprio quando é que queres utilizar a parte vulnerável do teu leque de mãos para um bluff. O que também deve ser tido em consideração é o efeito do check/call num adversário mais passivo e tight. Não é provável que ele pense "Wow, ele está fraco, vou afastá-lo da mão" mas "Ah! Ele tem uma mão feita com a qual vai até ao showdown".

Os floats fora de posição também são possíveis contra a sua maneira de pensar. Se apostares no river contra um chech behind no turn, muitas vezes vais conseguir folds de mãos feitas fracas.

As boas boards para continuation bets com uma carta alta são particularmente adequadas para isto. É menos provável que disparem dois barris e tu podes ter uma mão razoável com a qual podes apostar por valor no river.

Temos também que mencionar a possibilidade de esperar até ao turn para utilizar linhas por valor, bem como semibluffs. Jogas os monstros e os draws fortes com check/call no flop com a intenção de fazer check-raise no turn.

Isto é particularmente bom em boards mais deep, onde muitas vezes podem existir potenciais cartas para um segundo barril do teu adversário, onde ele aposta algumas das suas mãos no turn para ver um showdown de graça.

A linha pode ser bem balanceada e darias ao teu adversário muitas dores de cabeça. Arriscas mais com os semibluffs, devido particularmente à pouca equity, mas também dás oportunidade ao teu adversário de cometer erros. Dependendo da sua reacção, podes também optar por jogar esta linha apenas como um linha por valor ou semibluff.

Múltiplos Barris

Os segundos barris até agora ainda não foram um grande tópico, apesar de serem a continuação directa da análise à continuation bet. Apesar de serem importantes, até agora ainda não foram considerados de uma forma mais específica. Além disso, um terceiro barril é basicamente uma continuação estável do conceito.

O plano para a tua mão é importante. Tens que pensar que mãos consegues forçar a fazer fold, com que agressividade e se consegues determinar o leque de mãos do adversário com que ele não jogue muitas vezes e que não faça fold exactamente dessa forma. Se conseguires ter a certeza disso, por exemplo faz raise no flop para obrigar uma mão com um par a fazer fold o mais tardar no river.

Desde que a situação termine com um bluff lucrativo no river, a linha pode ser utilizada. De uma forma geral: disparar múltiplos barris é um sinal de muita força. Por um lado, a tua linha tem que fazer sentido e por outro, não deves jogar contra um adversário que faz calldown teimosamente.

Tens que distinguir aqui o seguinte: Existem jogadores que fazem um call contra uma linha polarizada (e.g. um check-raise) ou dois calls (e.g. aposta seguinte) ou três vezes (para o showdown). A última categoria não é 'bluffável'.

Vice versa, um adversário inconsequente ode muitas vezes fazer re-bluff mais facilmente. Um adversário que nunca continua a apostar um bluff no turn, pode facilmente levar com um float-raise no flop, porque ele desiste sempre dos seus bluffs. Se ele fizer muitas vezes bluff, esta também é uma boa linha para jogar contra.

» CONCLUSÃO

Estes artigos juntamente com os vídeos devem-te ter ajudado a perceber como é que podes derrotar NL50SH. É claro que a teoria não é suficiente. Também precisas de praticar muito. Joga nas mesas, experimenta os teus movimentos, toma decisões e aprende com todas as situações. É assim que vais conseguir continuar a melhorar cada vez mais o teu jogo.

 

Comentários (1)

#1 Brubaker1982, 10.09.12 19:26

Marcando como lido...